Instagram começa teste para ocultar “likes” no Brasil

Instagram começa teste para ocultar “likes” no Brasil

Se você entrou em seu Instagram e notou algo de diferente, não se assuste. A plataforma anunciou que o Brasil se tornou o segundo país no mundo a participar de um teste que esconde as curtidas das fotos no feed. Ou seja, agora só os próprios usuários poderão saber se suas fotos floparam ou bombaram. Competição por cliques motivou decisão do Instagram; psicólogos consideram necessidade de aprovação em posts um risco à saúde mental Ainda que tenha deixado uma série de influencers e empresas de marketing angustiados, a mudança não foi feita pensando neles, mas sim nos usuários. Ao menos segundo o Instagram. De acordo com a rede social, a decisão é parte de uma série de ações que buscam transformar a plataforma em um espaço menos tóxico para a saúde mental de quem a usa. A discussão não é nova. Boa parte das críticas mais duras ao Instagram — e várias outras redes sociais — fala sobre a criação de uma espécie de realidade de faz de conta, onde todos projetam imagens irreais de sua rotina para se destacar no meio do algoritmo. “É um excesso de pressão social, numa estética do que alguns teóricos chamam de felicidade tóxica ou imperativo da felicidade. No seu extremo, ela passa a ser prejudicial à saúde emocional das pessoas, gerando mal-estar, baixa autoestima e desconforto”, explicou Rodrigo Nejm, psicólogo e diretor da SaferNet. O resultado: insegurança generalizada e baixa autoestima, que flutuam constantemente de acordo com o número de curtidas em cada postagem. E não precisa ser assim. “A plataforma pode fazer bem às pessoas, desde que a gente consiga usá-la com...
Embalagem encaixável para reduzir uso de plástico

Embalagem encaixável para reduzir uso de plástico

Batizada de fit pack, a solução agrupa até 10 latas usando apenas a estrutura da embalagem, sem a necessidade de qualquer material adicional. A cervejaria mexicana Corona anunciou o lançamento de um projeto piloto de eliminação do plástico para embalagens six-pack para latas. O projeto faz parte do compromisso da marca com a Parley for the Oceans de se tornar líder no setor de cervejas na utilização de embalagens amigas do meio ambiente. Embora a embalagem principal da Corona seja a garrafa de vidro, a marca viu uma oportunidade de ajudar a redesenhar uma fonte frequente de plástico na categoria: as embalagens multipacks e os anéis agrupadores para latas. A cervejaria criou, junto com a agência Leo Burnett da Cidade do México, um sistema em que as latas se encaixam umas nas outras, eliminando o uso dos anéis. Batizada de “Fit Pack”, a solução agrupa até 10 latas, usando apenas a estrutura da embalagem, sem a necessidade de qualquer material adicional. “O sistema de montagem se conecta na parte inferior e superior de cada lata, então várias delas podem ser rosqueadas umas nas outras e criar pilhas. É uma inovação que pode ser dimensionada em nível global, resolvendo o problema do plástico”, explica Federico Russi, CEO da Leo Burnett Cidade do México. Por enquanto, as embalagens não estão sendo produzidas comercialmente. Foi feito apenas um lote especial para a ação. A embalagem foi selecionada para a final do Cannes Innovation Lions 2019 na categoria marketing. Ação semelhante está sendo adotada por várias cervejarias no mundo, como a espanhola Estrella Damm e a dinamarquesa Carlsberg. A cervejaria mexicana anunciou também...
Pepsico vai produzir água em lata para reduzir plástico

Pepsico vai produzir água em lata para reduzir plástico

Aquafina é o nome da marca da PepsiCo que, no início de 2020, passará a vender água em latas de alumínio, substituindo o plástico por uma alternativa que acha mais sustentável. Embora a empresa reconheça que já existem muitos tipos de água com gás em recipientes de alumínio, beber de uma lata seria “um comportamento mais novo para muitas pessoas”. “Nosso objetivo é estar um pouco à frente dos consumidores e ajudar a empurrá-los na direção certa” – disse Stacy Taffet, supervisora responsável pelas marcas de água da Pepsi. Os consumidores também estão cutucando a Pepsi. Nos últimos anos, o sentimento do público voltou-se contra itens plásticos de uso único, que podem acabar se acumulando em aterros sanitários ou flutuando nos oceanos. Em todo o mundo, apenas 9% de todo o plástico já produzido foi reciclado; Em contrapartida, 67% do alumínio comprado pelos consumidores todos os anos é reutilizado. O alumínio é um material muito mais reciclado do que o plástico. O Brasil inclusive é um dos líderes mundiais desse setor. Em 2017, o índice de reciclagem de latas de alumínio para bebidas vendidas alcançou 97,3%. Para efeito de comparação, o índice de reciclagem de plástico no Brasil é de cerca de 25%. Segundo a Associação Brasileira do Alumínio (Abal), de 303,9 mil toneladas de latas de alumínio para bebidas colocadas no mercado em 2017, 295,8 mil toneladas foram recolhidas e recicladas. A Pepsico divulgou que ainda não vai eliminar totalmente o uso do plástico, mas que a nova iniciativa vai retirar da indústria mais de 8 mil toneladas de plástico virgem, ou seja, não reciclado. A empresa também...
Kibon lança nova embalagem com transcrição em braille

Kibon lança nova embalagem com transcrição em braille

A nova embalagem dos sorvetes Cremosíssimos também é mais leve: tem 15% menos plástico e 15% menos papel do que a versão anterior. Kibon em parceria com a Fundação Dorina Nowill para Cegos, organização sem fins lucrativos que se dedica à inclusão social de pessoas com deficiência visual, anuncia novas embalagens dos sorvetes Cremosíssimos, que passam a ter os sabores e marca identificados também em braille, sistema de leitura e escrita para pessoas com deficiência visual. “Essa é uma iniciativa inédita tanto para a Kibon quanto para a Unilever no Brasil. Queremos aprender mais sobre a luta das pessoas com deficiência visual, contribuir para que a rotina delas seja mais acessível e fomentar a inclusão social, além de entender como podemos colaborar com a visibilidade desse tema tão importante”, destaca Ernesto Viramontes, diretor de marketing de Kibon. A união da marca com uma das maiores e mais respeitadas fundações para pessoas com deficiência visual que, há mais de 70 anos, se dedica em facilitar a inclusão de crianças, jovens e adultos cegos ou com baixa visão, por meio de produtos e serviços especializados está apenas no início, Kibon prevê implementar a transcrição em braille nos demais produtos do portfólio no futuro. “Essa é uma questão fundamental, mais de seis milhões de brasileiros tem algum tipo de deficiência visual e precisam ter mais autonomia no dia a dia. Queremos replicar essa parceria com a Fundação Dorina e inserir a transcrição em braille nas embalagens de todo portfólio de sorvetes Kibon”, explica o executivo. Com foco nas questões ligadas à sustentabilidade, as embalagens de potes da linha Cremosíssimo, que já são...
McDonald´s promete banir “isopor” de suas embalagens

McDonald´s promete banir “isopor” de suas embalagens

Até o final deste ano, o McDonald´s pretende deixar de usar em suas embalagens o poliestireno expansível (EPS), conhecido como “isopor”. O material é atualmente utilizado em 2% de todas as embalagens da empresa no mundo. A multinacional pretende utilizar fibras 100% recicladas em suas embalagens até 2020. É a primeira vez que a companhia se compromete a banir o EPS de seus produtos em um prazo tão rígido. A multinacional também planeja expandir a utilização de embalagens de fibras 100% recicladas até 2020. Atualmente, a empresa usa esse material em pouco mais de 50% de suas embalagens. Nos últimos anos, grupos ambientalistas vêm cobrando mudanças nas embalagens utilizadas pelo McDonald´s e por outras multinacionais da área alimentícia. Em 2015, as ONGs norte-americanas As You Sow e Natural Resources Defense Council produziram uma pesquisa com 47 grandes empresas de alimentos – incluindo McDonald’s, Burger King e Domino’s Pizza – em que foram analisadas a aplicação de conceitos de sustentabilidade no uso de embalagens (focando principalmente a reciclagem). O resultado foi que nenhuma das empresas cumpriu os requisitos recomendados pelas ONGs. Agora, a expectativa é de que o anúncio do McDonald´s em banir o EPS de seus produtos poderá servir de exemplo a ser seguido por outras companhias de grande porte. Material não costuma ser reciclado O isopor é fabricado a partir de derivados do petróleo. Sua composição conta com mais de 95% de ar. Portanto, devido à baixa densidade, o isopor ocupa muito volume, o que encarece seu transporte e, portanto, sua reciclagem. A maioria das cooperativas e empresas do setor não aceita doações de pequenos volumes do produto....